Todo Amor do Mundo Cabe em 8GB – Capítulo 6: Nos bastidores da USB.live

Publicado em 7 de outubro de 2016 | Por Natan Rocha | Contos, Todo Amor do Mundo Cabe em 8GB

Todo Amor do Mundo Cabe em 8gb é um conto de ficção científica disfarçado de romance, ambientado em Manaus futurista (pero no mucho) e publicado semanalmente no Mapingua Nerd. Leia os capítulos anteriores aqui.


A inexplicável falha na GRESON foi o motivo para a reunião de última hora que convocou todos os executivos, programadores e engenheiros responsáveis na sala de reuniões da USB.live em sua sede, em Manaus.  Os executivos exigiam aos berros dos programadores uma explicação, uma vez que a queda não foi devida a nenhuma manutenção necessária do sistema. Os programadores enlouqueciam tentando descobrir o motivo, uma vez que nada de anormal havia denunciado uma possível invasão ou interferência de terceiros. Os engenheiros assistiam as acaloradas discussões comendo pipoca tranquilamente, uma vez que haviam acabado de retornar de um retiro espiritual pago pela empresa.

O CEO da USB.live, sentado no fim da enorme mesa, ouvia o debate concentrado, como se na sala houvesse apenas vozes e não pessoas.  

– Talvez a rede não tenha suportado o número de acess
os que tem aumentado drasticamente, o nosso número de usuários cresce a cada dia, é uma possibilidade! – apontou um dos programadores-chefe sentado na outra ponta, em meio a gritaria.  

– Os registros apontam que sim,
realmente estamos com o número de usuários subindo mas isso não justificaria a queda já que atualizamos o suporte à medida que esse número cresce! Nossos satélites dão conta! – Apontou outro programador se encolhendo ante o olhar fulminante dos executivos.   

Um programador idoso deu a palavra:
 

–  A cada dia que passa, os nossos usuários fazem uma conexão com a GRESON mais cedo nos filhos, através da ponte neural com o d-
hand.  Antes era apenas uma questão de escolha de “quando” fazer. Hoje nossos clientes não tem mais escolha e se tivessem – por um momento houve assovios, aplausos, pessoas fazendo high-five e gritando: “yeah!” – poderíamos – continuou o idoso, perplexo – poderíamos ter um controle assíduo do registro de mentes que se ligam à rede. Mas a cada minuto, de 100 crianças que nascem no mundo, 98 os pais já fazem a conexão! Acho que há um engano, senhor – Disse ele se dirigindo ao CEO – A atualização do sistema de suporte à rede não está sendo eficaz. A transmissão de dados é constante e opera num determinado ritmo, mas o fluxo está se comprovando cada vez mais intenso com essa demanda, acelerando o processo! Isso pode estar gerando alguma sobrecarga, esse constante trânsito de informações pode prejudicar até mesmo 

– VOCÊS TEM NOÇÃO QUE ACABAMOS DE LANÇAR UM APLICÁVEL REVOLUCIONÁRIO, NÃO TEM? – Um dos executivos chamou a atenção de todos ao bater com as mãos na mesa.
 

Algumas pessoas engoliram em seco. Outras abaixaram a cabeça. Os engenheiros pararam de comer pipoca.
 

O executivo engravatado continuou:
 

–  Como acionista majoritário desta empresa, eu exijo que vocês, programadores e engenheiros de meia tigela encontrem uma solução rápida pra esse problema! O que nos garante que não vá acontecer de novo, e por mais tempo?!
 
Os engenheiros se encolhiam em suas poltronas. A inspiração espiritual do retiro estava indo pelo ralo.  

– Gastamos muito dinheiro com o BELIEVE. Precisamos garantir que haverá retorno e essas quedas constantes podem nos prejudicar!
Precisamos garantir que as pessoas o baixem sem problemas! 

– Encontrem um suporte para nosso sistema de fluxo. – O CEO
finalmente falou de seu lugar, impassível, com as mãos cruzadas sobre a mesa – Não importa quantas atualizações sejam necessárias, desenvolvam algum método que garanta o pleno funcionamento da GRESON e que mantenha nossos clientes conectados, sem nenhum problema para baixar seus aplicáveis.  

– Senhor, com licença! – O programador idoso voltou a falar – Pode levar algum tempo para desenvolver algo assim e o sistema pode cair algumas vezes de novo… Podemos colocar toda equipe para trabalhar em prol desta necessidade, mas, por favor, senhores –
Disse ele olhando para todos na mesa, inclusive aos engenheiros que levantaram o olhar – Não é uma garantia absoluta. Mas se tentarmos desligar a rede via satélite do d-hand 

Várias sobrancelhas se levantaram.
Feições estupefatas foram brotando, como se um cheiro estranho surgisse na sala. Um engenheiro de óculos se engasgou com a pipoca que havia voltado a comer.  

–  Por algumas horas, apenas para
cortar o fluxo de informações e…  

– CHEGA! – Berrou o engravatado – ISSO NOS CUSTARIA MILHÕES
!!! PESSOAS BAIXAM APLICÁVEIS TODA HORA, NÃO QUERO OUVIR MAIS UMA PALAVRA DESSE IMPROPÉRIO.  

–  A reunião está encerrada – Declarou o CEO com uma cara de poucos amigos.
 

O executivo engravatado foi o primeiro a sair. Levantou-se de sua cadeira e escancarou as portas, saindo como um tufão.
 

“Puto.” – Pensou o programador idoso. 
 

O CEO apoiou as mãos na mesa, se levantou e disse:
 

– Façam o que for preciso. Mas em hipótese alguma desliguem os sinais do d-
hand. Ele se tornará inútil. Podem sair.  

Um a um, as pessoas foram saindo da reunião, enquanto os lixos ao lado das portas se enchiam de sacos de pipoca.

Sobre o Autor

é estudante de publicidade, da vida, do universo e tudo o mais. Gosta de manhãs chuvosas e de noites serenas. Só ainda não entendeu qual é a das quinta-feiras. Tem um monte de camisas nerds e de bandas descoladas mas ainda não sabe como se livrar delas.

Comentários