Taverna do Mapinguari 17 – Histórias do Colégio

Publicado em 11 de maio de 2016 | Por Thiago Henrik | Podcast, Taverna do Mapinguari

Bem-vindo à Taverna do Mapinguari!

Hoje os gazeteiros Emerson OliveiraErlan Bindá, Fernanda Brandão e Thiago Henrik relembram as melhores histórias dos tempos de colégio. Separe seu material, vista o uniforme e prepare-se para aventuras humilhantes nas aulas de Educação Física, uma comemoração bizarra de formandos e porque nem sempre temos que ser honestos com os nossos professores. Dê o play e não esqueça de colocar o nosso nome na lista de presença. 


 + Fale com a gente: taverna@mapinguanerd.com.br

+ Arte da vitrine: César Edgar

+ Edição completa: Emerson Oliveira


Sobre o Autor

veste Capa-e-Espada despojado, seus ̶h̶o̶b̶b̶i̶t̶s̶ hobbies favoritos são: filmes massa-velho, histórias de fantasia e séries sobre paradas estranhas. Já alcançou o 7º sentido, destruiu o Um Anel na Montanha da Perdição, chegou ao último andar da Torre Negra, retirou a espada da pedra e perdeu muitos pontos para a Grifinória. Gosta mais de cachorro que de gente, Não abre mão do segundo café da manhã e costuma esquecer que o mundo não está em seus livros e mapas. Instagram: @thiabolico

Comentários

  • tenho tanta coisa pra comentar sobre cada tópico que vocês tão falando que já fiquei perdida hahhaha sos.

  • EU ERA WICCA! e não cortava pintos pra nenhum ritual. also, eu tinha um caldeirão rs.

  • Ola Mapinguas!
    Tema divertidíssimo, afinal, quem não tem histórias do colégio pra contar.
    Eu nunca fui um aluno exemplar, gazetava aula e até ja pulei o muro da escola (que era alto como dos presídios)pra isso.
    Sempre tirava notas que me permitiam passar, apesar de não estudar e minha melhor performance era em tudo que se relacionava a arte e desenhos, péssimo em matemática e bem em português e redação. Ótimos tempos, mas nunca fui popular e tive meus tempos de loser e de popularidade. MAs boas lembranças mesmo eu tenho é fora da escola.
    Abraços

  • Ayrton De Oliveira

    – Também estudei no CIEC, mas odiava aquele colégio.

    – No segundo ano eu participei nos jogos internos em um time de basquete e ganhamos de 1 a 0, sim, 1 ponto jogando basquete.

    – No terceiro eu fui jogar futebol e minha namorada da época disse que eu ia me machucar, eu fiquei puto (porque ela provavelmente tinha razão KKKK) daí fui, fiz um gol de canhota e ela nem viu KKKK

    – Eu tenho alguns professores inspiração, teve um que ficava conversando sobre Sherlock Holmes, um dia fiz a prova e fui ficar conversando com ele. Tive um que realmente abriu meu pensamento, mas não lembro bem o nome, ficou poucas semanas dando aula.

    – No meu segundo ano aconteceu um episódio igual esse das carteiras. A gente estudava no segundo andar, a janela era virada pra uma espécie de garagem e lá tinha um cemitério de carteiras quebradas. O pessoal começou a jogar esses fios azuis de internet com um cabide e puxar carteira pra sala e jogar no telhado do vizinho que morava do lado. Um dia a coordenação viu duas carteiras lá e pensaram que eram da sala e mandaram o menino que jogou pagar as carteiras. A turma toda fez uma vaquinha depois.

    – Um “amigo” do Emerson tomava anabolizante, um “amigo” aham.

    – Eu tive uma professora de Português/Literatura/Redação que incentivou meu pensamento, até hoje tenho um carinho bem grande por ela. Conseguiu abrir meus horizontes. Beijo professora Andréa.

    – Eu não entendo muito de Química e tô cursando, faz parte KKKK

  • Pingback: Taverna do Mapinguari 18 | Side Quest | O grande fora da lei que não queria voltar sozinho do Masterchef – Podflix - Podcast()