Seção grandes roteiristas: Charlie Kaufman, de Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças

Publicado em 12 de abril de 2016 | Por Alberto Carvalho | Cinema

E aí galera! Tudo tranquilo? Voltamos hoje com mais um post onde apresento a vocês um grande roteirista de cinema. Se você não leu o da semana passada, onde falei sobre Jonathan Nolan (roteirista de Interestelar), clique aqui e confira.


Hoje irei falar sobre alguém que adora escrever sobre o consciente humano e os conflitos gerados dentro dele. Ele já foi considerado um dos 100 homens mais influentes de Hollywood e escreveu um dos filmes mais “brilhantes” da história do cinema, Brilho eterno de uma mente sem lembrançasEstou falando de Charlie Kaufman.

kaufman2

Nascido em Nova Iorque, Kaufman sempre demonstrou interesse pela arte. Durante o high school, interpretou diversos papéis em peças da escola, incluindo o clássico Dr. Jekyll and Mr. Hyde. Kaufman adorava comédias. Enquanto estudava cinema na NYU (Universidade de Nova Iorque), escreveu diversas paródias, inclusive dos X-men.

Passou a década de 80 e 90 fazendo pequenos trabalhos e escrevendo para TV, até que em 1999 foi lançado o primeiro longa escrito por Kaufman, e ele mostrou a Hollywood a que veio. Chegava aos cinemas Quero ser John Malkovich.

O filme conta a história de um jovem casal, Lotte (Cameron Diaz) e Craig Schwartz (John Cussack). Sem filhos, mas com animais de estimação que variam de um chipanzé que vai ao psiquiatra a peixinhos no aquário. Ela adora animais e quando não está tratando dos bichos em casa, está tratando dos bichos em uma loja de produtos para animais. Ele não tem emprego e passa os dias em casa. Num certo dia, Craig resolve responder a um anúncio de jornal para trabalhar numa firma arquivando documentos, e aí é que Kaufman começa a brincar com os conceitos de o que somos e como encontramos nossa essência para que possamos ser felizes.

O trabalho foi tão elogiado que lhe rendeu a indicação ao Oscar de melhor roteiro. Isso abriu portas para que ele continuasse criando. Após isso, Kaufman escreveu o roteiro para A natureza quase humana (2001) e no mesmo ano escreveu Adaptação (2002).

Kaufman também escreveu o roteiro de Confissões de uma Mente Perigosauma biografia não autorizada de Chuck Barris. O apresentador lançou vários programas populares de televisão, conhecidos no Brasil graças principalmente a Silvio Santos, que os adaptou em várias versões dominicais tais como o Namoro na TV e Show de Calouros. O filme parte de uma alegação de que Barris teria sido um assassino da CIA. O longa foi a estreia de George Clooney na direção. Kaufman ficou com bastante raiva de Clooney por causa das alterações feitas sem consulta a seu roteiro. Charlie Kaufman sempre gostou de estar envolvido do início ao fim, por isso ele sempre trabalhou com diretores que permitissem isso, como Michel Gondry e Spike Jonze.

Até que em 2004, é lançado o que para mim é a obra prima de Kaufman: Brilho eterno de uma mente sem lembranças.

Brilho eterno de uma mente sem lembranças conta a história de Joel (Jim Carrey), um homem magoado por sua namorada tê-lo deletado (literalmente) de sua memória. Daí então ele resolve retribuir na mesma moeda e procura o Doutor Mierzwiak para passar pela mesma experiência. No decorrer da operação, Joel percebe que, na verdade, ele não quer excluir Clementine (Kate Winslet) de sua vida, e sim manter bem viva em sua memória os momentos em que estiveram felizes. A partir de então, ele enfrenta uma incrível luta dentro de sua própria cabeça para que essas memórias continuem vivas dentro de si.

brilho1

O filme é extremamente emocionante. Kaufman faz você se identificar com os personagens e com as situações, por mais ficcional que possa parecer. O título do filme foi retirado do poema Eloisa to Abelard, o qual o roteirista já havia usado também em Quero ser John Malkovich. O longa foi aclamado pela crítica e rendeu a Kaufman o Oscar de melhor roteiro original.

Sobre o Autor

Louco por filmes e apaixonado por rabanadas

Comentários