RPG inspirado na história indígena é distribuído em escolas públicas

Publicado em 7 de outubro de 2017 | Por Maria Cecília Costa | Games, Notícias

Parece que os dias quando se via jogos como mera distração já passaram. O Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da Universidade Federal do Paraná  (UFPR) criou o Jaguareté, um jogo de RPG baseado na cultura indígena. O projeto foi desenvolvido por uma equipe composta por professores, servidores e alunos extensionistas da UFPR, e hoje figura entre os jogos disponíveis nos eventos do projeto Jogarta.

O cenário do jogo é o Brasil de 1500, quando povos indígenas entram em confilito com os invasores europeus. No papel dos índios, os jogadores acabam aprendendo mais sobre suas tribos, histórias e lendas, pois o jogo é fruto de muita pesquisa histórica.

O projeto foi idealizado pelo produtor cultural do MAE- UFPR, Fábio Marcolino, com colaboração do professor de história e filosofia Mateus Buffone, fundador do projeto Jogarta. Segundo Mateus, principal objetivo do Jaguareté é trazer a gameficação para educação ao transmitir o conteúdo de maneira mais agradável para o aprendizado, utilizando a linguagem de jogos como forma de ensino.

O MAE oferece oficinas de capacitação para professores interessados em incorporar o Jaguareté a suas aulas. Os exemplares produzidos foram distribuídos entre as escolas públicas do Paraná e, por enquanto, não é possível comprar o jogo. No entanto, os responsáveis pelo projeto já estudam uma segunda remessa e, possivelmente, uma futura comercialização.

As informações e fotos são do site Pílula Falante. No vídeo abaixo, produzido para o canal do Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR  você confere uma reportagem sobre o jogo:


Sobre o Autor

é estudante do sexto período de Comunicação Social – Jornalismo da Universidade Federal do Amazonas. É líder do grupo de voluntariado social Nexa Amazonas, além de escrever para o blog do PETCom Ufam e colaborar para a revista Mundo Estranho. Apaixonada por literatura e cinema, não é nem tão cult, nem tão farofa quanto deveria ser.

Comentários