Previsões que a ficção cientifica acertou nos cinemas | Yeah Science

Publicado em 3 de Março de 2017 | Por Alberto Carvalho | Ciência, Tecnologia, Yeah Science!

Inspiração ou simplesmente chute, esse gênero que surgiu na literatura sempre brincou com previsões do que supostamente aconteceria no futuro da obra em questão. Com o passar do tempo, vimos que muitas eram simplesmente grandes piadas, entretanto, outras acabaram se tornando realidade no nosso cotidiano. Veja quais dessas previsões o cinema acertou.


Minority Report

Quem está acostumado a ler grandes autores de ficção cientifica como Isaac Asimov, H. G. Wells e Philip K. Dick, já notou a quantidade de dispositivos e circunstâncias imaginadas para o futuro de suas histórias. Em Minority Report, a ideia de prever o crime vinha acompanhado por uma interface de usuário por gestos, com reconhecimento facial, coisa muito comum nos Kinectics hoje em dia. O Facebook, por exemplo, reconhece todos os seus amigos quando você compartilha uma foto com eles, e nem preciso comentar como funciona a mecânica das telas de smartphones.

Total Recall

Ainda não comercializamos experiências extra-sensoriais, no entanto colonizar Marte e ter carros autônomos circulando pela cidade não estão nem um pouco longe da realidade. Graças a Elon Musk, as duas possibilidades não são só possíveis, como estão próximas. O CEO da SpaceX afirmou que irá iniciar a colonização de marte em 2022 (o que parece uma data distante, mas é daqui a 5 anos).

Em Total Recall, no Brasil “O Vingador do Futuro”, tínhamos bonecos bizarros no lugar do motorista e esses carros autônomos se restringiam aos táxis. A visão do Google, entretanto, não se restringe a táxis, mas em 1990 esta já era uma previsão arriscada.

Star Trek

A lista de ideias que apareceram ao longo das 5 séries de televisão e 13 filmes de Star Trek são gigantes e não podemos salientar uma única. A coluna Ciência em Pauta já mostrou como a série ajudou na evolução da medicina e porque algumas espécies se parecem tanto com humanos, clique aqui e entenda como.

Mas falando em previsões, vamos a algumas bem conhecidas. Em um episódio, Picard aparecia usando um tablet, o computador de bordo da Enterprise é bastante similar a Siri e o tricorder usado por Janeway tinha mais apps que a App Store e Google Play somadas. O inventor do primeiro celular, Martin Cooper, citou os comunicadores de mão da série clássica como principal fonte de inspiração para o seu trabalho.

2001, Uma odisséia no espaço

Quando a Samsung e a Apple se digladiaram em tribunal sobre as patentes por trás do iPad, a empresa coreana citou o filme de Kubrik como evidência que a ideia de um tablet não era original.

E, quando ouvimos hoje o Google Now ou a Siri atender aos nossos pedidos no celular, só podemos agradecer ao fato da história de Arthur C. Clarke ter falhado na previsão de uma inteligência artificial psicótica. Imagina só a HAL9000 instalada em qualquer aparelho androide por aí.

stanley kubrick 2001 2001 a space odyssey millennial hal 9000

De Volta para o Futuro

E é claro que não poderíamos deixar de fora a maior fonte de previsões do futuro do cinema. Não temos reatores nucleares dentro de carros, mas até chegamos bem perto das hover boards. A Nike até fez um protótipo dos sapatos que se apertam automaticamente.

Mas se formos analisar também, ultrapassamos algumas das previsões da família McFly. Em De Volta Para o Futuro 2 , vemos os filhos de Marty usando uma espécie de Óculos VR para atender o telefone ou ver televisão.


Sobre o Autor

estuda administração, produz vídeos para o Youtube (youtube.com/plotbr) e adora dormir. Ama cinema, quadrinhos, tecnologia e estranhamente também gosta de esportes.

Comentários

Os comentários estão desativados.