Marcas da Guerra – Uma ambiciosa nova saga literária do universo Star Wars

Publicado em 14 de dezembro de 2015 | Por Bruno Izidro | Literatura

O livro que você precisa ler para começar a jornada para Star Wars: O Despertar da Força”. Os dizeres na faixa envolta da capa de Star Wars: Marcas da Guerra (2015, Editora Aleph) faz parecer que ele é uma ponte direta entre a trilogia original e o tão aguardado novo filme. Não é bem assim.

O livro se passa, sim, após os acontecimentos de O Retorno de Jedi, mas não chega a preencher o espaço de quase 30 anos até o sétimo filme. Em vez disso, Marcas da Guerra – que é o primeiro capítulo da trilogia literária Aftermath – apresenta o início de uma nova aventura, com novos heróis, vilões e a missão de estabelecer o novo universo expandido (e agora parte do cânone oficial da saga) que está sendo criado para Star Wars.

Mais que isso, o livro se torna importante por ser a primeira obra a nos dar um vislumbre de como está a situação na galáxia depois que a segunda Estrela da Morte foi destruída. O Império realmente caiu? A guerra finalmente acabou?

Star-Wars-Marcas-da-Guerra-capa-Brasil

Nas mais de 400 páginas, o autor Chuck Wendig nos apresenta uma história pela visão de diversos personagens, alguns conhecidos dos filmes – como Wegde Antilles e o almirante Akbar (“It’s a Trap”) – outros criados especialmente para o livro: Nora Wexley, uma piloto rebelde que só quer voltar para casa e para o seu filho Temmin; Sinjir Vas Velus, um ex-agente do império sobrevivente da Batalha de Endor; Jas Emari, uma caçadora de recompensas em busca de alvos valiosos e Rae Sloane, uma oficial que tenta reconstruir o que restou do império.

São essas desconhecidas figuras que tomam o papel de reais protagonistas dessa nova história e, mesmo que eles não se conheçam ainda, todos vão estar ligados a um evento no distante planeta de Akiva, na Orla Exterior (sempre lá), onde acontece o que pode ser a última tentativa do império de se reerguer.

A grande sacada e o que prende a leitura em Marcas da Guerra é que, ao desenvolver essa trama pela visão dos dois lados em conflito, a obra vai nos apresentando o cenário atual do universo de Star Wars após os filmes, funcionando quase que uma cena pós-créditos e tardia da trilogia original. A Aliança Rebelde, estabelecida agora como a Nova República, persegue o que restou do Império ao mesmo tempo em que tem que decidir como consertar o caos que se instalou na galáxia. Já o Império, mesmo perdendo sua principal arma (de novo), ainda é enorme e não foi completamente derrotado.

Esse panorama ainda é melhor explorado em alguns contos que são apresentados entre um capítulo e outro da trama principal. Esses interlúdios, de não mais do que três páginas cada, contam mini aventuras em outros cantos do universo e alguns – inclusive – mostram brevemente por andam figuras como Han Solo e Chewbacca, que estão prestes a iniciar o que parece ser uma aventura maior.

marcas-da-guerra_interludio_mapingua

Não colocar o holofote nas figuras icônicas da série, aliás, foi algo que também só beneficiou o livro, que consegue a liberdade para elaborar uma história própria e dar mais espaço para o desenvolvimento desses novo protagonistas. Mesmo que haja um pouco de Han, Luke e Leia em cada um deles, eles são interessante o suficiente para se apegar e acabam por se transformar em mais um inesperado grupo, assim como um fazendeiro, um contrabandista, uma princesa e um par de droides foram no passado.

Confesso que se não fosse pela empolgação por O Despertar da Força, provavelmente não leria Marcas da Guerra. Felizmente, o que poderia ser só algum produto feito “nas coxa” para aproveitar o hype do novo filme acabou se mostrando uma aventura com o melhor de Star Wars adaptada para um contexto mais próximo e atual em vivemos, principalmente pela obra abordar, entre uns tiros de blaster e perseguições com TIE Fighters, temas como sexualidade de forma natural e sem parecer forçado.

Agora também que Mara Jade, filhos Jedi, Almirante Thrawn e outros elementos do antigo universo expandido foram descartados, Marcas da Guerra tem o caminho aberto para pavimentar esse nova e igualmente empolgante trilogia literária e já deixa expectativas altas para os dois próximos livros, que só devem ser publicados em 2016 e 2017.


 

Ficou interessado? O livro está com 20% de desconto na Saraiva online. E se pedir pra pegar na loja não tem frete 😉


Sobre o Autor

━ A Garme Journalizzzzt Wannabe

Comentários