Estudando História com a Teledramaturgia: Grandes Navegações | O Noveleiro

Publicado em 1 de Maio de 2017 | Por Juliano Santiago | Colunas, Entretenimento, O Noveleiro

Malandragem Italiana

Durante a primeira metade do século XV, as coisas eram bem diferentes dos dias atuais. Achava-se que o mundo era formado apenas pela Europa, Ásia e África. Sendo o Mar mediterrâneo o principal caminho dos europeus para o oriente, as cidades de Veneza e Gênova decidiram firmar acordo com os árabes. Eles traziam mercadoria até o Mar Mediterrâneo e os venezianos e genoveses distribuíam pela Europa. Com o passar do tempo as cidades italianas, passam a cobrar preços muito elevados pela mercadoria. (A Economia de Portugal dependia do comercio, e foi bastante prejudicada).

O Império Otomano Contra-Ataca

Tudo ia bem, até que em 1453, o Império Otomano tomou Constantinopla, fechando de vez, a passagem de acesso para o oriente. Os Portugueses, enfim, precisavam encontrar uma rota alternativa para ter acesso a Índia e China. Eles aprenderam com os árabes a elaborarem cartas náuticas e a utilizarem as técnicas de carpintaria naval. Após a invenção das Caravelas (a grande sacada portuguesa) lançaram-se à procura de um novo caminho para o Oriente (Contornando a Costa da África).

De Dark Side à Nova Esperança

No ano de 1488, a frota de Bartolomeu Dias conseguiu dobrar o Cabo das Tormentas (Um grande desafio, pois os ventos fortes faziam do local um ponto crítico). Quando o cabo foi ultrapassado, Dom João II (Rei de Portugal) mudou o nome para “Cabo da Boa Esperança”, já que sua travessia comprovava que o Oceano Atlântico e o Índico se ligavam, aumentando assim as esperanças dos portugueses chegarem ao oriente, contornando a África.

Uma Nova Jornada

Só em 1498 Vasco da Gama conseguiu chegar às Índias, contornando o continente africano, tornando Portugal dono do grande monopólio do comércio das especiarias. Após o retorno de Vasco da Gama às terras portuguesas, uma grande expedição foi organizada.  Comandada por Pedro Alvares Cabral, a nova jornada tinha a missão de organizar acordos comerciais com os mercadores orientais.  Durante a viagem, para escapar das zonas de calmaria, Cabral ordena que as embarcações façam um pequeno desvio, no entanto ele foi tão gigantesco que a frota acabou atravessando o Atlântico. Esse desvio fez com que os portugueses encontrassem novas terras no meio do caminho. Futuramente essas terras ganhariam o nome de Brasil.

Minissérie – A invenção do Brasil (2000)

É preciso lembrar que esta obra possui uma enorme licença poética, porém a trama conta com um roteiro tão caprichado que merece destaque. “A Invenção do Brasil” foi uma minissérie de Guel Arraes e Jorge Furtado, exibida no ano 2000 pela Rede Globo.

O folhetim narra a vida de Diogo (Selton Mello), um português interesseiro que chega à costa brasileira “antes de Cabral”. Ao atracar no novo mundo, Diogo apaixona-se pelas índias Paraguaçu (Camila Pitanga) e Moema (Déborah Secco), tornando-se uma espécie de rei dos índios. Entre esses e outro motivos, a corte portuguesa decide resgatar Diogo de volta e Paraguaçu vai junto. Acredita-se que parte da história é realmente verídica, e que Diogo teve um importante papel na fundação de Salvador.


Sobre o Autor

Criador do blog 'O Noveleiro', Juliano Santiago costuma falar sobre o universo televisivo de uma maneira diferente. Conhecido por seu espírito crítico e bem humorado, Juliano se destaca no meio da comunicação ao fazer Resenhas e Crônicas voltadas para o público jovem. www.onoveleiro.wordpress.com

Comentários