Bota a ficha: uma visita aos arcades de Manaus

Publicado em 6 de Janeiro de 2017 | Por Bruno Graça | Entretenimento, Games, Lugares, Manaus

Jogar em casa no próprio vídeo game é divertido, mas jogar em um arcade é uma sensação única. É lá que se reúnem os melhores. É onde a plateia pode observar quem vai vencer com as glórias de um campeão ou perder e ser alvo de brincadeiras. Porém, essas máquinas perderam espaço em Manaus e ficaram reduzidas a poucos lugares na cidade, principalmente em shoppings. E foi lá que visitamos para reencontrar nossas velhas companheiras. Bota a ficha Passa o cartão (maldita modernidade).

Um pouco de história

Nos anos 90, os arcades (fliperamas, ou simplesmente máquinas) eram a coisa mais quente em Manaus depois do calor da cidade. Tinha um em praticamente cada boteco, principalmente com os jogos “Street Fighter 2 (Rodoviária Edition)”, “Cadillacs and Dinosaurs” e, mais tarde, “Samurai Shodown” e “The King of Fighters”.

Quem jogava nos arcades naquela época deve lembrar principalmente da boa e velha Videorama da Avenida Getúlio Vargas: aquele galpão gigante com VÁRIOS arcades, com diversas pessoas se digladiando para mostrar o quão boas eram nos jogos e um som insuportável vindo das máquinas e das conversas animadas dos players.

Com o passar dos anos, os fliperamas foram perdendo espaço e público para os jogos online até finalmente serem reduzidos a poucos lugares. Atualmente o público que mais se vê nos fliperamas (principalmente em shoppings) são adolescentes bem jovens ou crianças que vão com os pais, sendo raro ver adultos jogando, o que contrasta bastante com as pessoas que iam na Videorama: adultos e adolescentes mais velhos.

Nos shoppings

Talvez você não saiba (ou não ligue), mas Manaus possui 11 shoppings e apenas três deles não possuem um espaço-lazer que tenha arcades. Visitei a maioria deles e, nesse embaralhado de jogos, vou sugerir alguns interessantes (ou diferentes) de cada shopping que visitei para vocês testarem também.

Cartões e fichas

Dos setes shoppings que visitei, somente dois usavam o clássico sistema ficha (Manauara e Studio 5). O sistema cartão, além de caro (pois você paga o cartão), encareceu até nos créditos. Todos cobravam cerca de R$2 pelo cartão e de R$3,50 a R$6 de crédito por máquina. 

No encerramento da matéria, eu não sabia qual cartão era de qual shopping.

Shoppings com Sistema Cartão

Shopping Manaus Via Norte

Aqui encontrei um dos games mais diferentes que joguei: “Animal Kaiser: O rei dos animais”, um jogo de luta em que os personagens são animais selvagens e você utiliza roletas para determinar os ataques e a potência que eles terão contra os inimigos. O diferencial desse jogo está nos especiais bizarros de cada animal, como um do Leão (o personagem principal) em que ele mira como um sniper. São três lutas até você zerar o jogo.

Vencendo ou perdendo o jogo, você ganha um card com código de barras que é lido no início do jogo para liberar novos personagens ou aprimorar algum já liberado, seja deixando mais forte ou com novos golpes. Apenas o Leão está disponível se você não tiver um card de personagem. O jogo é produzido pela Bandai Namco e é bizarro até no site oficial. Incrivelmente esse jogo é muito viciante. Cuidado.

Nota: 5/5 (lexotan)

foto: máquina de Animal Kaiser e os cards que eu ganhei

Menção honrosa: O jogo de tiro da Bandai, “Deadstorm Pirate Ship”, em que você controla o canhão de um navio pirata para enfrentar os mais diversos desafios. São duas tentativas por crédito.

 

Amazonas Shopping

Ele está aqui também: “Animal Kaiser ver 2”, evoluído, ainda mais surtado e tendo como chefe um hipopótamo cantor de dance. Ganhamos também um representante brasileiro com a Anaconda (deus da Amazônia), que saiu de Parintins para ir pra porrada. A única decepção é que o scanner de cartão não funciona.

Nota: 4,5/5 (porque o scanner não funciona)

TAIKO!!! Sabe aqueles tambores japoneses? Eles estão aqui no jogo “Wadaiko Master” (meu novo jogo favorito), um divertido jogo estilo “Guitar Hero”, onde cada lado do tambor representa uma cor, o esquerdo é o vermelho e o direito, o azul, mas a coisa fica louca quando aparece o bônus e você tem que bater freneticamente no tambor. O jogo conta com música brasileiras (e infantis) como “Hoje é domingo” e “Escatumbararibê”. São duas músicas por créditos. É diversão na certa

Nota: 5/5

 

Manaus Plaza Shopping

Senhoras e senhores, Wadaiko Master também está aqui. Lindo e divertido, a única diferença deste para o do Amazonas Shopping é que neste para você acertar na cor vermelha, você tem que bater no lado de baixo direito do tambor e em cima continua o azul. Em momentos mais rápido, você pode se embananar com essa forma esquisita de jogar, mas continua divertido.

Nota: 4/5 (e ajeita isso, Manaus Plaza)

Menção histórica: “Sonic Blast Man: Real Puncher” é um jogo de 1994, praticamente mais velho que alguns leitores nossos, e estava disponível quando o Amazonas Shopping foi inaugurado. Nesse jogo você pode tirar uma foto sua ou de alguém e meter a porrada com uma luva. A cada soco o rosto do meliante é deformado. São três socos até o meliante cair. Vá e leve os seus amigos.

Nota: 3,5/5

Sumaúma Park Shopping

Aqui voltei a ver dois clássicos da Videorama com uma nova roupagem. O primeiro foi o “Street Fighter IV”, que apesar de já estar na quinta edição é sempre prazeroso de se jogar. E onde tem fliperama de “Street Fighter” tem um público em volta, neste shopping não foi diferente.

A máquina estava linda, tinha até a tabela com os golpes de cada personagem. A única reclamação é que o botão de chute forte estava quebrado e atrapalhava o especial.

Nota: 4,5/5 (conserta o botão, Sumaúma)

O segundo clássico foi o “Tekken Tag Tournament 2”, que apesar de ser uma franquia incrível com um sistema de luta um pouco mais realista, não atrai mais tanta atenção do público. Pena.

Nota: 4/5

Menção honrosa: O clássico jogo de dança “Pump It Up Prime 2015” CONTINUA sendo a coisa mais divertida para você jogar com seus amigos (ou vê-los jogando). Você se diverte de uma maneira ou de outra. São duas músicas por crédito, três se você for muito bom.

Shopping Ponta Negra

O clássico “Tekken Tag Tournament 2” também está aqui, mas foi colocado no fundo da sala, quase escondido, para pegar poeira.

Nota: 0/5 (não para o jogo, mas para o Shopping Ponta Negra pelo descaso com o clássico)

Em compensação, neste shopping se encontra o clássico absoluto “Pac-Man”, em versão maior, mais colorido do que nunca e divertido como sempre. No jogo, você tem duas vidas para tentar comer todos os pontos enquanto foge dos fantasmas.

Nota: 10/5

Shoppings com Sistema Ficha

Studio 5 Shopping

Se você procura um lugar absolutamente clássico, aqui é o seu local. São sete máquinas, divididas entre “Super Street Fighter IV Arcade Edition”, “The King of Fighters 2002 Magic Plus 2” e um arcade especial que você pode escolher um jogo entre uma lista de vários que incluía clássicos como “Samurai Shodown”, “The King of Fighters” e “Street Fighter”.

Todas as máquinas usam fichas, que custam R$ 2, e vão agradar em cheio aos saudosistas.

Nota: 10/5 (para o shopping por essa área que, apesar de pequena, é incrível)

Manauara Shopping

No espaço daqui, na verdade, tirando os jogos infantis e os de carros, todos são emuladores de Xbox 360, tem até controles do vídeo game e um Kinect. Não que isso seja ruim, mas é estranho a primeira vista, principalmente porque você paga R$4 por ficha, que dá direito a 10 minutos em um jogo, o que lembra bastante as antigas locadoras de jogos.

Você encontra aqui um palco próprio com “Dance Central 3”, o que se torna bastante divertido quando você está com um grupo de amigos ou gosta de dançar. O Kinect daqui funciona muito bem, tornando o jogo ainda mais fácil e divertido. São 10 minutos para você mostrar o quão bom é dançando. Recomendação de música: Gloria Gaynor – I Will Survive (tem lá). Sucesso (e risadas) na certa.

Nota: 5/5

Outro que tem um palco próprio é “Rock Band”, com os instrumentos completos esperando a sua galera (e as suas fichas) para você se sentir um rockstar. Difícil é achar uma música que você conheça naquela lista gigante e só com 10 minutos de crédito. Dica: Não seja o vocal.

Nota: 3,5/5

Menção honrosa: Para os que preferem algo menos artístico, o local também possuí  Mortal Kombat e diversos jogos de futebol.

Bons jogos.

(agradeço pela ajuda na matéria ao meu amigo Marcello Azevedo por ter sido cobaia ajudado nas fotos)


Sobre o Autor

é um jornalista, assessor e pau pra toda obra. Adora séries de investigações criminais e o canal Investigação Discovery. Curte: mangás, jogos em geral, Doctor Who, RPG, dinheiro, contar mentiras absurdas (?) e testar a paciência das pessoas. Revés: bipolar.

Comentários