Ao Infinito e Além | Ouça a sua mulher

Publicado em 14 de novembro de 2016 | Por Juçara Menezes | Ao Infinito e Além, Colunas

Eu sou workaholic, nem adianta negar. Se tem uma coisa que gosto mesmo de fazer é trabalhar, não importa se eu vou receber simoleons1 ou não (porque normalmente eu faço de graça).

O de grátis tem suas vantagens, como o reconhecimento pela parte que me toca pede ajuda e meu nome em algum lugar nessa história toda.

É por isso que acabo trabalhando sempre a mais e é justamente por conta dessa história que a mulher me briga. E ela tem uma certa razão: fazendo a mais, tenho mais coisas para pensar e fazer, diminuindo meu tempo de arrumar a casa ou prestar atenção nela e ainda ver a minha saúde.

Não vamos entrar em detalhes sobre se acabo trabalhando mais em casa ou na internet. A questão é que minha mulher tem um concorrente de peso: meu chefe.

mapingua-nerd-ao-infinito-e-alem-2O big boss que me paga pode até não saber (acho realmente que ele não percebe), porém eu trabalho pra ele até no fim de semana, feriados e dias santos católicos – e acabo por deixar pra lá minhas datas judaicas importantes (especialmente o shabat).

Acontece, porém2, que a mulher repara, e muito. Tá lá eu mexendo no computador no sábado a tarde e ela questionando o que diacho estou fazendo que não estou dormindo, descansando ou tomando algumas para fazer o fim de semana valer a pena.

Então, começa o duelo interno: é preciso trabalhar e igualmente necessário descansar. Quem está com a razão? Por mais incrível que possa parecer, é a sua mulher.

É a sua esposa/namorada/ficante que sabe se você tá dormindo bem, se alimentando direito, tá com dor nas costas ou com joelho ferrado. O meu chefe, por mais legal que ele seja, não sabe desses detalhes – e vamos combinar? Ele não tem nada a ver com isso. The boss me contratou para fazer o meu trabalho.

Mas entre fazer o que precisa ser feito e o melhor pra você, existe uma linha muito tênue. É fato, público e notório, que há certas coisas urgentes. Como saber quais são?

Muito simples: ouça a sua mulher, igual faz o  Barney Rubble3 ouvindo sua esposa Betty.

Eu sou jornalista e a minha função principal na vida é dar a informação para ontem. Nisso, a mulher perde: não há nada mais urgente (jornalisticamente falando) que uma notícia inédita seja amplamente divulgada.


ktpng

Entretanto, se o meu trabalho não atende ao pré-requisito acima, pode largar mão porque a esposa está certa. Não tem salário alto demais que pague a dor fdp, desgramada, sem precedentes, indizível e praticamente sem outras palavras de baixo calão que literalmente pague continuar com este work, work, work, work4

O que fazer quando seu chefe exige uma coisa e sua mulher quer o contrário? Usar o bom senso. Se realmente for estritamente necessário e urgente no fim de semana ou fora do seu expediente, faça o que o cara que te paga tá falando.

Entretanto, se você tá ferrado da coluna, não dorme direito faz tempo ou simplesmente está de folga, escute a sua mulher. Ela é quem vai sofrer se te acontecer alguma coisa mais séria, como – por Tutatis5! – um troço que envolva cirurgia ou descanso absoluto.

A Karabela6, esposa do chefe Abraracourcix, é um bom exemplo disso tudo. No fundo, no fundo, quem manda mesmo na aldeia dos irredutíveis gauleses é ela, porque o ‘chefe’ só a obedece.

Lembre-se: por mais que seu chefe seja legal, não é ele quem vai te aguentar de cama, internada ou com necessidade de receber comida na boca porque você está muito fraquinho, Panoramix7.

Feliz sua semana, primeira-dama do Lado Rio Negro.


1 Simoleons – dinheiro do jogo The Sims
2 ‘Acontece, porém’, que eu preciso casar pois eu já fiquei mocinha… pedaço da letra Beat Acelerado (Metrô)
3 Barney Rubble é o melhor amigo de Fred Flinstone. Betty é sua esposa

4 Referência à nova música da Rihana
5 Tutatis é um dos deuses dos irredutíveis gauleses, do Asterix
6 Karabela é a esposa do chefe da aldeia de Asterix
7 O gigante Obelix caiu no caldeirão de Panoramix quando o druida fazia sua poção mágica. 

Sobre o Autor

da Casa Menezes, a primeira de seu nome, Protetora do Norte e dos Nerds Oprimidos. Jornalista, mãe, esposa. Desde criança tem uma paixão nada secreta pelo Cebolinha. É vice-presidente do Conselho Jedi Amazonas. Líder Suprema (presidente) do fã-clube Lado Rio Negro. Com um amor incondicional de Darth Vader, sempre carrega um par de meias sujas na mochila para libertar elfos domésticos.

Comentários